Bem-vindos!

Conheçam o novo site da Rio Jodokai e venham treinar conosco.

Saiba mais

O que é Rio Jodokai?

Rio Jodokai significa Associação de Jodo do Rio de Janeiro. É uma entidade sem fins lucrativos, fundada em 2012, com o intuito de promover e difundir a arte marcial conhecida como Jodo, bem como o Iaido e o Kendo. Seguimos os preceitos da ZNKR e da FIK, e somos filiados à FKRJ e à CBK.
  • Jodo

    O caminho do Jo. A arte de defesa contra a espada.
  • Iaido

    A arte de desembainhar e manusear a espada japonesa: a Katana.
  • Kendo

    O caminho da espada. A arte da esgrima tradicional japonesa.

Jodo

“Não há formas tão bem desenvolvidas quanto as do Shinto Muso Ryu Jojutsu e creio que sejam um tesouro nacional.”
Hakudo Nakayama (1872 - 1958)

Definição

O termo Jodo é utilizado para definir a arte marcial baseada num tipo de bastão japonês conhecido como Jo. Logo, a tradução literal de Jodo é: “Caminho do Jo“.

O Jodo é uma arte de paz. Seu propósito é derrotar o adversário sem atacá-lo. Tem como objetivo não ferir o oponente, mas sim neutralizá-lo utilizando as técnicas que fazem do bastão uma arma altamente versátil. O significado deste espírito é de difícil compreensão, pois está fora dos padrões normais nos quais imaginamos um combate.

Prática

A prática do Jodo se dá através de 12 movimentos básicos (kihon) e 12 formas (kata) utilizando bastão (Jo) contra a espada (Tachi), ambos de madeira. Em resumo, o Shijo (quem está com o bastão) evita os ataques do Uchidachi (quem está com a espada) e responde com golpes e estocadas, a fim de encerrar o confronto de forma não letal.

História

O uso de bastões como arma vem de muitos séculos na história do Japão. A era feudal japonesa viu o desenvolvimento de centenas de escolas de combate que utilizavam, além da espada, uma grande variedade de bastões, em sua maioria feitos de carvalho branco (ou vermelho), a madeira mais indicada devido às suas características de peso e resistência. Uma dessas escolas era a Tenshin Shoden Katori Shinto Ryu, da qual fazia parte Muso Gonosuke, um jovem e talentoso espadachim.

Diz a lenda que, por volta de 1600, ele tinha o costume de desafiar outros espadachins pelo Japão, a fim de testar suas habilidades, sem nunca ter sido derrotado. Certa vez, ele encontrou o famoso Miyamoto Musashi, conhecido pelo seu estilo de combate com duas espadas e que também nunca tinha sofrido uma derrota. Os dois travaram um duelo, Musashi com suas duas espadas e Gonosuke com um bastão grande (1,82m de comprimento) chamado Bo. Gonosuke foi derrotado mas sobreviveu.

Após a derrota, Gonosuke se retirou para as montanhas para treino e meditação durante alguns meses. Certa noite, enquanto dormia, Gonosuke teve um sonho no qual recebeu as medidas um novo bastão que o faria vencer. Após este sonho, Gonosuke construiu o bastão e nascia ali a arma que conhecemos como Jo (1,28cm de comprimento e 2,4cm de diâmetro). A partir daí, ele formulou toda a técnica do novo bastão com elementos da espada, da alabarda e da lança.

Tendo praticado com o Jo intensamente, ele novamente desafiou Musashi e, desta vez com a nova arma, o derrotou também sem matá-lo. Musashi, impressionado com a genialidade do jovem, o convidou a ensinar as técnicas do Jo ao clã Kuroda, em Fukuoka. Gonosuke criou assim sua própria escola, a Shinto Muso Ryu, na qual o Jojutsu (arte do bastão) é a principal disciplina.

Desenvolvimento

O Shinto Muso Ryu Jojutsu ficou mantido em segredo pelo clã Kuroda durante séculos. A primeira demonstração pública ocorreu somente em 1931 e foi feita pelo então Grão-Mestre da escola, Takaji Shimizu. A partir deste momento, grandes expoentes das artes marciais japonesas como Jigoro Kano e Hakudo Nakayama se interessaram pelo Jojutsu e começaram a praticá-lo.

Após 1945, devido ao fim da guerra e a uma nova abordagem das artes marciais como fator de desenvolvimento humano, o Jojutsu passou a se chamar Jodo, assim como muitas outras artes correlatas (Kendo, Iaido, Aikido, etc.) e sua prática se popularizou, sendo adotada inclusive pela polícia no Japão.

As disciplinas do ”Koryu” (escola clássica) Shinto Muso Ryu também continuam a ser praticadas em todo o mundo.

Seitei Jodo

Em 1968, a Zen Nihon Kendo Renmei (ZNKR) incluiu o Jodo em seu programa oficial e solicitou a Takaji Shimizu a criação de um conjunto de 12 kihon (movimentos básicos) e 12 kata (formas), selecionados do complexo currículo do Shinto Muso Ryu, para o estudo por parte dos praticantes de Kendo. Estavam criados o Jodo Kihon e o Seitei Jodo Kata, os mesmos que são praticados até hoje.

A ZNKR também criou o modelo de campeonato de Jodo, organizado em chaves, como no Kendo. As partidas são disputadas em duplas (bastão e espada) através da execução simultânea de katas. Isto é, a dupla que executar melhor as formas estabelecidas, na opinião dos três árbitros, é a vitoriosa. Semelhante ao Kendo, no Jodo também há competição por equipes.

Na foto ao lado, os senseis Kotaro Yoneno* (uchi) e Tsunetsugu Hiroi* (shi), ambos Jodo Hanshi 9º Dan, apresentando o Seitei Jodo no Nippon Budokan, em Tokyo.

*in memoriam

Demonstração de Jodo (2015)

31 de maio de 2015por: 全日本剣道連盟 (Zen Nihon Kendo Renmei)
Demonstração de ZNKR Seitei Jodo Kata durante o 16º Campeonato Mundial de Kendo (2015) no Nippon Budokan (Tokyo, Japão).

As formas apresentadas são: 1) Tsuki Zue; 2) Suigetsu; 3) Hissage; 4) Shamen; 5) Sakan; 6) Monomi; 7) Kasumi; 8) Tachi Otoshi; 9) Rai Uchi; 10) Seigan; 11) Midare Dome; 12) Ran Ai.

Iaido

“Vencer a si próprio é a maior das vitórias.”
Platão (427 a.C. - 347 a.C.)

A Tradição do Iaido

Desde os primórdios que o Iai é considerado como a grande arte da espada do Japão. Isso ocorre devido à relação intrínseca com a forja de espadas, que foi a base histórica das artes marciais deste país.

A tradição do Iai tem passado de geração em geração, atribuindo-se a sua maior evolução pelas mãos de Hayashizaki Jinsuke Shigenobu, há 400 anos atrás. Nascido na velha provincia de Oshu, Shigenobu recolheu-se no templo de Hayashizaki Myôjin na Tateoka-cho, prefeitura de Yamagata e, por revelação divina, acordou para uma realidade diferente sobre a verdadeira natureza do Iai. Em seguida, Shigenobu sistematizou o Iai numa arte marcial independente, a qual chamou de Hayashizaki Ryu ou Shigenobu Ryu. Desde sua morte, Shigenobu é visto por muitos como o fundador e gênio criativo do Iai. A partir desse período, floresceram no Japão muitas escolas tradicionais de Iai de estilos diferentes, das quais apenas 25 se mantiveram até os dias de hoje.

A aplicação do Iai

O Iaido é a arte de desembainhar, cortar, perfurar e defender, com a espada japonesa, numa grande diversidade de situações, contra um ou mais oponentes.

Seja sentado ou em pé, parado ou em movimento, sendo atacado por todos os lados, o Iaidoka deve antecipar-se, defender e contra-atacar. O Iai focaliza ataque e defesa com base em conceitos como: distância, centro do golpe e empunhadura da espada. Somado a isso, deve haver o espírito de interceptação do ataque do adversário, de forma harmoniosa, e sua consequente derrota psicológica. Esta é a verdadeira defesa pessoal.

O verdadeiro espírito do Iai

Mais importante que a técnica é o treino espiritual. O Iai não significa cortar o inimigo necessariamente, mas sim vencer a si próprio. A vitória no Iai é um coração sem sentimentos de vingança e o término do conflito sem ter de recorrer à espada. Isto explica porque o Iai dos tempos antigos era chamado saya-no-uchi, vencer sem desembainhar a espada.

Em outras palavras, o Iai é um treino que visa a perfeição humana, desprovido de intento criminoso e realizado com mente pacífica. O seu significado moderno é traduzido como paz e tranquilidade para a vida humana. Num sentido mais amplo, o Iai significa: o caminho do duelo harmonioso, através de uma prática incessante em busca da sinergia com o universo.

Seitei Iai

Existem muitas escolas de Iaido. Dentre elas, as mais praticadas são: Muso Shinden Ryu, Muso Jikiden Eishin Ryu, Tamiya Ryu, etc. Uma vida inteira de estudo não permitiria o domínio total de todos estes estilos.

Por esta razão, é bom para os alunos desta arte que aprendam o essencial de cada escola, através de formas sintetizadas, a fim de conhecerem suas técnicas básicas. Com esse intuito, duas comissões especiais (1968 e 1977) compostas por onze mestres, associados à Zen Nihon Kendo Renmei, sintetizaram as técnicas básicas das diversas escolas em 7 formas (posteriormente 10 e por último 12) chamadas kata.

Perfeito para os principiantes, o Seitei Iai (os 12 kata atualmente existentes) contém 90% dos fundamentos do Iaido. No entanto, o significado mais profundo desta arte só se torna mais claro através de um treino intensivo dos kata das escolas tradicionais, nos quais o verdadeiro espírito desta arte é manifestado.

Texto original da Associação Portuguesa de Kendo, adaptado para o Português Brasileiro por Alexandre Cavalcanti (Rio Jodokai).

Na foto ao lado, o sensei Noboru Ogura (Iaido Hanshi 8º Dan) apresentando kata do Muso Shinden Ryu no Butokuden, em Kyoto.

Demonstração de Iaido (2015)

31 de maio de 2015por: 全日本剣道連盟 (Zen Nihon Kendo Renmei)
Demonstração de Iaido durante o 16º Campeonato Mundial de Kendo (2015). Nippon Budokan (Tokyo, Japão).

Kendo

“Chore no dojo, sorria no campo de batalha.”
Provérbio japonês

O Kendo é uma arte marcial japonesa que tem origem nas técnicas de combate dos antigos guerreiros japoneses (samurai). Enquanto, por exemplo, o Judo deriva de técnicas de combate corpo a corpo, o Kendo é uma adaptação das técnicas de luta com espada.

Com suas mais remotas origens no período feudal do Japão, o Kendo que hoje conhecemos começou a tomar forma durante o século XVII/XVIII, com a criação e adoção do equipamento de proteção ainda hoje usado (bogu e também do shinai) e sob influência das práticas budistas e confucionistas, ao colocar a ênfase no desenvolvimento pessoal do kenshi e não na estrita preparação para o combate.

Em 1946, após o final da Segunda Guerra Mundial e da rendição incondicional do Japão, o Kendo (assim como todas as outras artes marciais) foi banido da vida pública japonesa. Em 1952, com a restauração da independência do país, as artes marciais voltam a ser permitidas e o Kendo a ser praticado livremente. É também fundada a Zen Nippon Kendo Renmei (também conhecida por All Japan Kendo Federation), que desde então é a organização internacional responsável pela manutenção, promoção e divulgação do Kendo.

O Kendo evoluiu no sentido de se tornar uma modalidade segura (através do uso de uma armadura específica, o “bogu” e de uma espada em bambu, chamada “shinai”), divertida e muito eficiente em termos físicos e mentais.

 O Kendo é uma modalidade muito versátil, podendo ser praticada por crianças desde os cinco, seis anos até pessoas de idade avançada, como é o caso dos grandes mestres. Estima-se que cerca de 7 milhões de pessoas pratiquem Kendo no Japão, sendo que no resto do mundo o número de praticantes chegue a 213 mil, distribuídos por vários países.
Existem, sem dúvida, várias razões para praticar Kendo: muitos praticantes chegam atraídos pela prática física, outros pela vertente mais mental (ou espiritual) frequentemente associada às artes marciais. Seja qual for a razão, os benefícios trazidos pelo treino regular de Kendo são vários.

Para além dos benefícios físicos e de saúde que decorrem de um treino físico muito completo (independentemente de sexo ou idade), a prática de Kendo desenvolve também o poder de concentração e de decisão, potencializando também a agilidade mental e a autoconfiança, aspectos diretamente relacionados com a constante evolução e superação do indivíduo.

Texto original da Associação Portuguesa de Kendo, adaptado para o Português Brasileiro por Alexandre Cavalcanti (Rio Jodokai).

Na foto ao lado, a final do 64º Campeonato Japonês de Kendo (2016) entre Yosuke Katsumi (dir.) e Rentaro Kunitomo no Nippon Budokan, em Tokyo.

64º Campeonato Japonês de Kendo (2016)

3 de novembro de 2016por: 全日本剣道連盟 (Zen Nihon Kendo Renmei)
Final entre Rentaro Kunitomo (fita vermelha), de Fukuoka, e Yosuke Katsumi (fita branca), de Kanagawa, com vitória para Katsumi por um Kote.

Equipamento

Cada uma das artes que praticamos exige um equipamento específico que permite a execução das técnicas de forma correta e segura.
  • Keikogi, Hakama e Obi

    Uniforme tradicional japonês para treinos, composto por blusão, calça de pregas e faixa.
  • Jo

    Bastão de madeira (originalmente carvalho branco) medindo 1,28m de comprimento por 2,4cm de diâmetro.
  • Tachi e Kodachi

    Espadas de madeira chamadas Bokuto (ou Bokken) e usadas no Jodo, no Kendo e por iniciantes no Iaido.
  • Iaito

    Espada japonesa (Katana) com lâmina de liga de zinco/alumínio e sem fio, para treinamento de Iaido.
  • Bogu e Shinai

    Armadura de treino e espada feita de bambu, usados durante a prática e partidas de Kendo.
  • Armas do Kobudo

    Armas dos estilos clássicos de artes marciais do Japão, como: Tanjo; Jutte e Tessen; Kusarigama; etc.

Fotos

Treinos

Nossos treinos acontecem regularmente na quadra da Associação Nikkei do Rio de Janeiro, localizada na Rua Cosme Velho, 1166, no bairro do Cosme Velho, Rio de Janeiro (vide mapa).

Horários
Quartas e sextas-feiras: 19h às 20h30 (Jodo, Iaido e Kendo).
Sábados e domingos: 8h às 9h (Jodo); 9h às 10h30 (Iaido); 10h30 às 12h30 (Kendo).

Instrutores
Toshinobu Endo Sensei • Presidente de Honra da Rio Jodokai
Alexandre Cavalcanti (Jodo 3º Dan, Iaido 3º Dan) • Diretor Técnico/Presidente
Luis Carlos Guimarães (Kendo 3º Dan) • Vice-presidente

Agende previamente uma visita e venha treinar conosco.